JSN ImageShow

Você está aqui: InicioEntrevistasEntrevista com Ninne Ribeiro

Entrevista com Ninne Ribeiro

Compartilhar

ENTREVISTA COM NINNE RIBEIRO

Portal SDQ: Fale sobre o início do seu trabalho com o rap:

NINNE: Conheci o Hip Hop aos 16 anos de idade no interior da Bahia e comecei a cantar com 17 anos no grupo Real Conduta (Barreiras-BA). Depois formei o grupo de rap feminino chamado Minativa, com o qual fiz shows e palestras voltadas para as questões feministas.

 

 Mudei-me para Brasília em 2007, onde comecei carreira solo. Fiz shows no Teatro Nacional, CONIC, America Rock Club, Calango Pensante (Batalha de Mcs do DF), OPEN MIC e participei do show de encerramento do RPB(CUFA) em São Sebastião.

Trabalhos gravados e trabalhos novos Participei da coletânea "Veemente" produzida por Alisson Melo com a faixa "Pedaços de mim", depois gravei "Deixa Rolar" com a produção do Higo Melo e lancei o videoclipe da faixa “Música com amor”, em 12/04/2012, com direção de Rafa Baduei, participação do MC Rapadura e Thiago Jamelão (Guitarra e voz da banda Ataque Beliz) e com produção musical de Ariel Haller. Agora estou em processo de gravação do meu primeiro EP, com 6 faixas lançado em Agosto/2012.

Também estou finalizando o videoclipe da música “Ele é Zica” que contará com a participação de grandes nomes da cena musical de Brasília como: MC Ahoto, Benjamim, Sérgio, Wallison Boy, Maneco, Felipe Souljah, Dj A, Dudu, Calixto e Márcio Cipriano.

Portal SDQ - Quais as referências musicais no seu trabalho com o rap?

NINNE: Ellen Oléria, Lauryn Hill, Criolo, Rapadura, Marechal, Racionais, Flora Matos, Dj Jamaika, Floetry, Tech Nine, Bahamadia e Malena do Actitud Maria Marta. Qual sua opinião sobre o rap feminino do DF? Gosto muito! Tem o meu respeito por terem resistido ao machismo, que diminuiu mas ainda é forte, e por trazerem a força e beleza feminina ao rap.

Portal SDQ - É necessário mais espaço para os grupos de rap feminino aqui no DF?

NINNE: Com certeza! Já ouvi gente falar que no DF não tem mina Mc. Alguns criticam dizendo que precisamos trabalhar mais, pôr mais material na praça, mostrar trampo mas quando realizam feiras e eventos grandes patrocinados pelo governo, a programação é formada primeiramente por Mcs de fora e quando chamam os daqui são só homens, como vimos recentemente num evento que aconteceu em Taguatinga.

E ainda tem mina que fala por ai que não existe mais machismo no movimento! Certamente tem diminuído mas ainda existem aqueles que preferem viver na ignorância a ver uma mina se destacar.

Contatos para shows (61) 8316-6722 (Adriana Sheikh)/ O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

 Por Du Rap DF

 

comments
anuncie

Som da Quebrada - 2012 - 2013

X Fechar