JSN ImageShow

Você está aqui: InicioColuna - FRNEstatuto da FRN

Estatuto da FRN

Compartilhar

capa FRN

Origem Família Rap Nacional:

Após reunião com os primeiros grupos envolvidos: A-286 (grajau) , Horus-São Bernardo do campo- ABC, Na Sena -Vargem grande Paulista, Estilo Radical -Cocaia, Depoimento Ocular-Cambuci, Vocabulário ponto C – Cocaia, Erick 12 -Itaquera, Celo X – Oest Rap – Osasco, Holocausto – Maua -ABC, A Profecia – Cocaia todos citados até agora de São Paulo -SP

e Voz sem medo -Brasilia, Atitude Feminina -Brasilia e Uzzi Caçadores de Harmonia – Goiânia, ficou determinado que Moyses (A-286) ficasse como líder do projeto devido a sua bagagem musical, também ficou determinado que futuramente deveriam avaliar e votar sua saída ou permanecia na liderança do projeto.

OBJETIVOS CULTURAIS E POLITICOS (PROJETO ESTATUTO FRN FOI DESENVOLVIDO APARTIR DA ENTRADA DO GRUPO LIBERDADE E REVOLUÇÃO -SP QUE JUNTO COM MOYSES DERAM CORPO A ESSE PROJETO QUA AGORA ESTA SENDO APRESENTADO).

 

O hip hop fez pela auto estima do jovem negro e pobre da periferia o que entidades do movimento Negro e ONGs governamentais tentaram, mas nunca se quer chegaram perto, o rap sendo a maior expressão do movimento hip hop causou na periferia uma verdadeira revolução, mesmo que sem querer, pois nunca teve um estatuto ou um critério de militância, porém teve o poder de resgatar ícones negros e populares que o sistema educacional sempre omitiu em seus livros didáticos, hip hop trouxe orgulho de ser preto, orgulho esse,

que foi em grande parte industrializado e comercializado pela mídia, levando muitos grupos de rap a difundirem a ideologia burguesa do consumismo sem limites, e a busca a todo custo do STATUS, iludindo e fazendo iludir a juventude negra e pobre, boicotando aqueles que se negam a adaptar-se ao padrão burguês. Entendemos que o que deve mudar é o sistema, e o que temos visto é o oposto, são grupos mudando e se adaptando para serem aceitos pela mídia. É hora de pararmos de discutir o que o estado deveria fazer pela periferia e começar a discutir o que podemos fazer se nos organizarmos politicamente.

PROPOSTA DO ESTATUTO

1- Independência politica e cultural. Caberá aos militantes da família rap nacional decidirem politicamente em que área intervir, dialogando com todas as entidades e partidos que nos forem convenientes, porém a decisão final é sempre da FRN. Propomos como principio básico não nos tornarmos braço politico de partido algum.

Poderemos, se necessário, após consulta a militância e votação, fazer campanhas, atos, protestos ou coligação para lançamento de candidato indicado pela Família Rap Nacional, isso até conseguirmos organizar e estruturar um partido politico com base no hip hop e nas culturas e povos da periferia. É proibido qualquer campanha, apoio ou ligação para com outro partido, o qual não seja reconhecido como aliado, independentemente de quaisquer situações.

2- Independência Financeira- é sabido que quem paga a banda escolhe a musica, por isso propomos que seja estipulada uma cota para que possamos organizar nossos eventos, nossos atos e nossos projetos, tirando das mãos de poucos que hoje se aproveitam e lucram com o nosso talento.

Essa cota deve ser usada também para material de divulgação (criar um jornal do verdadeiro hip hop lembrando sempre de dar o devido espaço para opiniões contrarias as nossas, revista, etc), sem intervenção de quaisquer patrocinador.

3- Organizar grupos de estudos e Debates. Somente conhecendo o inimigo teremos condição de derrotá-lo, é necessário entender como funciona a engrenagem politica social do mundo, que se beneficia da homofobia, xenofobia, machismo e racismo para superexplorar a classe trabalhadora,

permitindo que poucos tenham muito e muitos tenham pouco. Após trabalho de conscientização, o militante deverá interagir com seu bairro ou qualquer outro lugar que for solicitado (levando-se em conta a disponibilidade do militante).

4- Não é vetada a entrada de grupos cujos integrantes já façam parte de outras organizações ou partidos, porém, o mesmo não poderá exercer algum cargo de direção dentro da família Rap Nacional (exceto aqueles indicados em coligações para serem representantes da FRN), desde que zele por esse estatuto.

5-Em cada Estado que possível, haverá um representante onde caberá à ele passar todas as informações, será responsável por todas mobilizações, podendo contar com total apoio dos outros integrantes que oferecerão todo suporte. (Levando em conta a disponibilidade do militante).

6-Todas as decisões caberão ao coletivo, e não a grupos de grande ou pequeno porte. Qualquer militante deste movimento que tenha projetos que beneficiem a comunidade terá espaço e apoio pra expor suas ideias, desde que cumpra todas as cláusulas citadas neste acordo.

Proposta Critérios de Militância (em aberto para novas opiniões).

1- Ter Acordo com o estatuto.
2-Cotizar dentro das suas possibilidades para fortalecer a independência politica e financeira.
3-Lutar pelo coletivo da Família Rap Nacional e abrir mão do individualismo.
4- Não consumir bebidas alcoólicas ou substancias entorpecentes enquanto estiver a serviço da FRN.

comments
anuncie

Som da Quebrada - 2012 - 2013

X Fechar